Quiropraxia - Manobras Jinju
Holística 2005


Quiropraxia - Manobras Jinju
Holística 2005

Song Un Kim
Terapeuta Holístico
CRT 23108

Resumo


Material e Metodologia

COLUNA:

Coluna vertebral: as vértebras.

A coluna vertebral divide-se em quatro partes, que são, de cima para baixo, a região cervical, dorsal, lombar e a região pélvica ou sacro-coccígea. É constituída fundamentalmente por estruturas ósseas sobrepostas de maneira regular, as vértebras, em número de 33 ou 34. A sua distribuição é a seguinte: 7 cervicais, 12 dorsais, 5 lombares e 9 ou 10 pélvicas. Estas últimas estão soldadas entre si, formando duas peças, o sacro e o cóccix.

As vértebras

São ossos curtos, com tecidos esponjoso no seu interior.

A sua forma varia segundo a parte da coluna à qual pertencem, mas apresentam uma série de características comuns :

Corpo . Ocupa a parte anterior e tem a forma cilíndrica. Apresenta duas faces, uma superior e outra inferior.

Processo Espinhoso. Porção impar e mediana, dirigida para trás, em forma de espinha, de onde vem o seu nome.

Processo Transversos. Em numero de duas, direita e esquerda. Dirigem-se transversalmente para fora.

Processos Articulares. São duas eminências destinadas a articulação das vértebras entre si. São quatro no total : duas superiores e duas inferiores.

Forame Vertebral . O forame vertebral fica situado entre a face posterior do corpo vertebral e o processo espinhoso.

Vértebras Cervicais

Correspondem à zona do pescoço e são sete. São as mais finas e as dotadas de maior mobilidade. A primeira vértebra cervical ou atlas é uma vértebra incompleta, pois não possui verdadeiro corpo vertebral. Os outros elementos, principalmente os processos encontram-se reduzidos. Articula-se com a Segunda vértebra cervical ou áxis. O áxis apresenta na parte superior do seu corpo uma eminência vertical, o dente, destinada a articular-se com o atlas, permitindo a rotação lateral do pescoço.

Vértebras Torácicas ou Dorsal.

São doze e estão colocadas depois das cervicais, em sentido descendente. Corresponde à zona do ombro e apresentam maior espessura e menor mobilidade que as vértebras cervicais.

As dez primeiras vértebras dorsais articulam-se com as costelas nas facetas articulares que as distinguem das outras vértebras.

Vértebras Lombares.

São cinco, situadas entre a região dorsal e o sacro. São as mais grossas e são dotadas de grande mobilidade.

Correspondem à zona da cintura e apresentam processos espinhosos muito desenvolvidos e horizontais.

Sacro.

É formado pelas cinco primeiras vértebras sacrais, soldadas entre si. Aplanado de frente para trás e muito mais volumoso por cima que por baixo, o sacro é consideravelmente mais largo na mulher do que no homem, com o fim de facilitar o parto. O canal sacral atravessa o sacro em todo seu comprimento. É a continuação do canal vertebral. De cada lado partem quatro forames transversais pelos quais saem os nervos sacrais.

Cóccix.

Exatamente como o anterior, é um osso ímpar que ocupa a linha mediana, formado pela união de quatro ou cinco vértebras rudimentares. Apresenta uma forma triangular, aplanada de frente para trás. Situado na continuação do sacro, e com ele articulado, constitui a extremidade inferior do eixo vertebral e corresponde a um rudimento a cauda dos animais.

A coluna deve conciliar exigências mecânicas : a ESTABILIDADE e a FLEXIBILIDADE.

A coluna deve cumprir as três funções ;

- Estática

- Cinética

- Proteção

Função Estática.

Os corpos vertebrais aumentam progressivamente de volume de C3 a L5. Possuem forma de cunha, assim como os discos, o que determinam as curvaturas da coluna.

Os discos têm o papel de amortecedores de choque e de pressão.

Os discos, devido à sua elasticidade, são suficientes para endireitar as curvas da coluna nas mudanças de posição.

O disco suporta mais a compressão do que a tração.

T12

É a vértebra dobradiça dorsolombar.

A sua metade superior é anatômicamente e torácica.

A sua metade inferior é anatômicamente e lombar.

L3

É a primeira vértebra verdadeiramente móvel da coluna lombar. Isto explica a freqüência de lesões em L3.

Função Cinética da Coluna.

Nos movimentos de lateroflexão e rotação, os processos articulares posteriores da concavidade tem um papel de eixo, asseguram a amplitude do movimento. L4-L5-S1 são níveis mais móveis em flexãoextensão. O espaço menos móvel em lateroflexão é L5-S1, mas é o mais móvel em rotação.

Função de Proteção.

O conjunto da coluna, graças ao canal vertebral, tem um papel fundamental de proteção da medula espinhal e de suas raízes raquídeas , que saem pelos forames intervertebrais.

O Canal Vertebral é um túnel osteofibroso que se abre no alto pelo forame magno do occipital e tem continuidade embaixo pelo canal sacro.

O forame Intervertebral permite a comunicação entre o canal vertebral e o corpo.

Uma Irritação no nível do forame Intervertebral pode perturbar a excitabilidade e a condutibilidade dos neurônios. Esta irritação pode ser causada por:

- Uma deformação mecânica.

- Uma ligeira pressão provocada por inflamação.

A coluna é composta de 33 ou 34 vértebras, a qual se subdivide da seguinte maneira ;

- 7 Cervicais ( C1,C2,C3,C4,C5,C6,C7 ).

- 12 Torácica ( T1,T2,T3,T4,T5,T6,T7,T8,T9,T10,T11,T12 ).

- 5 Lombar ( L1,L2,L3,L4, L5 ).

- 9 ou 10 Pélvicas ( soldadas entre si ) região Sacro e o Cóccix.

Divisão por grupo e seus transtornos .

I - Grupo C1-C2-C3.

Provoca os desequilíbrio nas seguintes partes :

- Cabeça.

- Olhos.

- Boca.

- Pescoço.

- Ouvido.

II- Grupo C4-C5-C6.

Provoca os desequilíbrio nas seguintes partes :

- Braços.

- Pulmão.

- Estomago.

III- Grupo C7-T1-T2.

Provoca os desequilíbrio nas seguintes partes :

- Pulmão

- Coração.

IV- Grupo T3-T4-T5.

Provoca os desequilíbrio nas seguintes partes :

Coração.

Pulmão.

Estomago.

V- Grupo T6-T7-T8-T9.

Provoca os desequilíbrio nas seguintes partes :

- Estômago.

- Duodeno.

- Fígado.

- Vesícula Biliar.

VI- Grupo T10-T11-T12-L1.

Provoca os desequilíbrio nas seguintes partes :

- Intestino Grosso.

- Rins.

- Bexiga

- Útero.

VII- Grupo L2-L3-L4-L5.

Provoca os desequilíbrio nas seguintes partes :

Pernas.

Ovário.

Útero

DORES

I- A DOR ÓSSEA

A dor óssea é precisa, centrada sobre a vértebra danificada.

A dor é surda, contínua, aumenta com todos os movimentos.

II- A DOR DISCAL

A dor é aguda, se manifesta quando o peso do corpo se coloca sobre o disco intervertebral danificado ( posição sentado ou de pé ).

A dor aparece imediatamente, sem tempo de latência. Na região lombar, esta dor é aumentada pela tosse ou pelos esforços de defecação que elevam a pressão intrabdominal e intradiscal.

III- A DOR LIGAMENTAR

Aparece quando se mantém uma postura durante muito tempo. Não é imediata, e quase sempre como uma sensação de queimação.

IV- A DOR MUSCULAR

Manifesta-se com os movimentos e está relacionada à contração muscular. O movimento doloroso indica o músculo lesado. O movimento oposto, que coloca em tensão o músculo, é responsável por um rebote causado por um espasmo muscular.

A dor é do tipo surda, difusa e aumenta ou se reproduz pela contração isométrica.

MANOBRAS

- Antes de qualquer manobra, mexer levemente para soltar a musculatura.

- Perguntar se tem algum problema óssea ou de articulação etc.

- Não realizar manobras em gestantes.

- Verificar a postura do cliente.

- Medir.

- Verificar o nível do ombro.

VERIFICAÇÃO

- Colocar a pessoa em pé, e verificar o nível do ombro.

- Colocar a pessoa sentado, e puxar pelos dedões da mão. E verificar a diferença de nível.

TIPOS DE MANOBRAS

CERVICAL

Relaxar toda a cervical antes de qualquer manobra.

SENTADO

- Colocar o queixo ligeiramente para baixo.

- Colocar o queixo normal.

- Colocar o queixo ligeiramente para cima.

- Colocar a forquilha.

- Colocar ante braço ao lado do rosto e puxar para cima.

- Colocar a forquilha levantando braço oposto do cliente.

- Colocar cervical apoiada na perna.

DEITADO

- Colocar o queixo ligeiramente para baixo.

- Colocar o queixo normal.

- Colocar o queixo ligeiramente para cima.

- Colocar a forquilha.

TORÁCICA

Relaxar toda a torácica antes de qualquer manobra.

SENTADO NO CHÃO

- Colocar o cliente sentado com os braços abraçados, e forçar para frente e depois levantar e soltar.

- Colocar as mãos para trás e abraçar por trás , por baixo do braço.

- Colocar as mãos na nuca .

- Colocar o cliente sentado com os braços para cima e puxar pelos dedos.

SENTADO NA CADEIRA

- Sentar na cadeira e apoiar a vértebra no encosto da cadeira e jogar os braços para trás.

DEITADO

- Colocar o cliente deitado de bruços, e pressionar ao lado das vértebras com a palma da mão.

- Colocar o cliente deitado de bruços, e pressionar levemente para cima com os dedões ao lado das vértebras.

- Colocar o cliente deitado de bruços, e pressionar levemente em movimento circular com os dedões ao lado da das vértebras.

- Colocar o cliente deitado de bruços, e pressionar com as mãos cruzadas.

- Colocar o cliente deitado de bruços, e pressionar com as mãos um sobre a outra em cima das vértebras.

- Pressionar ao lado da coluna com indicador e dedo médio.

- Pressionar ao lado da coluna com indicador e dedo médio das duas mãos.

- Pressionar glúteo e a escápula.

- Colocar o cliente deitado de bruços, e pisar com o centro da sola do pé levemente, fazendo com que o cliente respire fundo e solta o ar pela boca.

EM PÉ

- Colocar o cliente em pé com os braços abraçando o corpo.

- Colocar o cliente em pé com as mãos na nuca e os dedos cruzados.

- Colocar o cliente em pé com as mãos no queixo.

- Colocar o cliente em pé e abraçar de frente com as mãos nas vértebras.

- Colocar o cliente em pé e esticar os braços para cima e puxar com uma pequena inclinação.

LOMBAR

Relaxar toda a lombar antes de qualquer manobra.

SENTADO

- Colocar o cliente sentado com uma perna esticada e outra dobrada e girar o ombro do lado oposto.

DEITADO

- Colocar o cliente deitado de lado e dobrar somente a perna de cima e colocar o seu braço debaixo do braço do cliente e torcer o tronco.

- Colocar o cliente deitado de lado e dobrar somente a perna de cima e colocar o braço do cliente ao lado do corpo e manobrar apoiando na costela.

- Refazer os dois itens anteriores com as pernas dobradas em ângulos diferentes.

- Deitar o cliente de bruço levantar uma das pernas apoiando com a mão, joelho ou com o pé.

- Deitar o cliente de barriga para cima e puxar uma perna de cada vez.

- Colocar o cliente deitado de barriga para cima e com as pernas abertas colocar a perna no sentido da mão.

- Colocar o cliente deitado de bruços e alongar a lombar em relação a bacia.

- Colocar o cliente deitado de bruços e relizar toques circulares na covinha da bacia com o cotovelo.

EM PÉ

- Colocar o cliente em pé e fazer com que chute de lado com as pernas dobradas.

- Colocar o cliente em pé e colocar a perna entre as suas pernas e realizar a manobra.

- Colocar o cliente em pé de costas e colocar seus braços baixo do braço do cliente e levantar.

 

Resultados

O que se nota junto aos Clientes é uma sensível melhora na Qualidade de Vida dos mesmos, conforme os atendimentos continuados com as manobras Jinju vão sendo aplicados. Os resultados obtidos vão além das queixas iniciais, muitas vezes focadas na coluna em si, pois obtem-se resultados sistêmicos, atingindo um estado geral de melhora global.

Discussão

O corpo é um organismo vital no qual a estrutura e a função devem estar coordenados e a coluna desempenha um importante papel neste equilíbrio. As manobras Jinju, atuando no alinhamento das vértebras, maximizam o desempenho dos centros energéticos e nervosos e, consequentemente, dos recursos de auto-equilíbrio de cada Cliente, obtendo-se ganhos significativos na Qualidade de Vida.

Conclusões

As manobras Jinju – Quiropráticas atuam como facilitadoras no processo de auto-equilíbrio, obtendo-se melhoria do padrão de Qualidade de Vida, independente das queixas iniciais dos Clientes e da localização corpórea das mesmas. Rearmonizando ritmos e leis naturais, desencadeiam reflexos à distância para que o corpo inteiro reaja a todos os estímulos.

Copyright © por SINTE - Sindicato dos Terapeutas Todos os direitos reservados

As manobras Quiropráticas nos servirão para alinhar a coluna e desobstruir os focos energéticos que bloqueiam a estrutura óssea da coluna.

Objetivo principal é a integridade da estrutura do corpo, que rege a boa saúde do organismo e evita o desequilíbrio energético.

Introdução

O corpo é um organismo vital no qual a estrutura e a função devem estar coordenados.

Se houver alguma alteração na coluna, a estrutura não deve estar em harmonia, portanto o distúrbio da estrutura origina os problemas de fluxo energético.

O Cliente tem em si mesmo todos os meios necessários para eliminar ou evitar os desequilíbrios energéticos, contanto que os meios estejam livres para funcionar corretamente. Como por exemplo, se não houver obstáculos nos condutos nervosos, linfáticos, vasculares, e que a nutrição celular e a eliminação dos dejetos se cumpram corretamente.

As manobras Jenju (quiropraxia) têm por meta rearmonizar ritmos e leis naturais e desencadear reflexos à distância para que o corpo inteiro reaja a todos os estímulos.

Objetivo principal é a integridade da estrutura do corpo, que rege a boa saúde do organismo e evita o desequilíbrio energético.

Última atualização:
2007-05-30 11:36
Autor: :
SINTE SINDICATO DOS TERAPEUTAS
Revisão:
1.0
Avaliaçãoo mídia: 3.75 (8 Votos)

Não pode comentar este artigo

Chuck Norris has counted to infinity. Twice.

Registros nesta categoria

Tags