O atendimento virtual e o uso dos Florais de Bach: um estudo de caso


Nota da organização: o trabalho a seguir trata-se do primeiro estudo de atendimento à distância com Terapia Holística. Não é intenção do SINTE, nem da autora do trabalho, passar a impressão de que este formato substitua o contato pessoal entre Cliente e Terapeuta Holístico em ambiente de consultório.

O atendimento virtual e o uso dos Florais de Bach: um estudo de caso 

Andrea Pavlovitsch

Terapeuta Holística -

Disciplina: Terapia Floral de Bach

Orientador: Henrique Vieira Filho – CRT 21001 
 
 
 
 
 
 

São Paulo

2008 
 
 
 

Epígrafe
A grande invocação
 
 

Do ponto de Luz na Mente de Deus

Flua luz às mentes dos homens:

Desça a luz a Terra 

Do ponto de Amor no Coração de Deus

Flua amor aos corações dos homens;

Volte Cristo a Terra 

Do centro onde a Vontade de Deus é conhecida,

Guie o propósito às pequenas vontades dos homens:

O propósito que os Mestres conhecem e servem. 

Do centro a que chamamos a raça dos homens,

Cumpra-se o Plano de Amor e de Luz

E mure-se a porta onde mora o mal. 

Que a Luz, o Amor e o Poder restabeleçam o Plano na Terra. 


 Dedicatória 

Dedico este trabalho a cada um dos meus clientes que tanto tem me ajudado a ser uma profissional melhor e um ser humano mais evoluído.  

Dedico a meus amigos e colaboradores. 
  

Agradecimentos 

      Agradeço primeiramente aos meus mentores espirituais e aos Mestres Ascenscionados, por me darem à oportunidade de evolução através do estudo e da terapia.

      Agradeço ao meu pai Inácio Teixeira pela força e pelo auxílio às mais diferentes manifestações que apresentei ao longo de minha vida.

      Agradeço à minha mãe Alice Pavlovitsch e as minhas irmãs Janaina e Luciana pelo apoio incondicional e por sempre estarem ao meu lado, mesmo quando eu soube que poderia fazer sozinha.

      Agradeço a cada um dos meus compreensivos amigos, professores, autores do mais diferentes livros que li até hoje, pois cada um me trouxe um pouco mais de entendimento sobre o processo que desenvolvo na Terra.  
 
 
 
 
Sumário

 
 
 
 
  1. Introdução..............................................................................................................8

   1.1 A história da internet              ...............................................................................8

   1.2 Internet inserida na cultura atual          .................................................................9

   1.3 Os Florais de Bach e seu uso terapêutico.............................................................10

      2. Material e metodologia...........................................................................................12

      2.1. Material ...............................................................................................................12

      2.2 . Método...............................................................................................................12

3. Resultados....................................................................................................................14

4. Discussão.....................................................................................................................18

5. Conclusão....................................................................................................................19

6. Referências bibliográficas...........................................................................................20

7. Anexos e Apêndices....................................................................................................21 
 
 
 
 
 
 
 Resumo

 

O presente trabalho visa demostrar um caso de uso dos Florais de Bach e a eventual resposta da cliente ao seu uso associado ao aconselhamento terapêutico. A diferença, porém, é que, neste caso, foi usada a via virtual de comunicação, ou seja, uma cliente de uma outra cidade, não a da terapeuta, e que realizava sessões através do uso de um comunicador MSN Messenger, na rede mundial de computadores.

O objetivo do trabalho é demostrar como o uso da internet pode ser benéfico ou não para um novo tipo de atendimento, utilizando as novas ferramentas. Quais são as vantagens e desvantagens deste novo meio de comunicação e as facilidade e dificuldade encontradas durante o caminho.  
 
 

1. Introdução

1.1. A história da internet

 

A internet surgiu, inicialmente, como um rede de proteção de dados nos EUA na época da Guerra Fria, na década de 60. Temendo um ataque inimigo, o Departamento de Defesa Americano criou um sistema de dados que poderiam ser configurados num local e visto em outro, mesmo a dezenas de quilômetros de distancia, num sistema chamado de chaveamento de pacotes. Depois do fim da Guerra Fria entre as duas grandes potencias mundiais da época (Estados Unidos e União Soviética) algumas universidades receberam a incumbência de desenvolver os sistemas utilizados, dado origem, então, a internet: 

    A mesma lógica se deu com a Internet. Jovens da contracultura, ideologicamente engajados ou não em uma utopia de difusão da informação, contribuíram decisivamente para a formação da Internet como hoje é conhecida. A tal ponto que o sociólogo espanhol e estudioso da rede, Manuel Castells, afirmou em seu livro "A Galáxia da Internet" (2003) que "A Internet é, acima de tudo, uma criação cultural". (Wikipédia) 

Já nos anos 80, o interesse pela rede mundial de computadores era tamanha que ela passou a despertar mais e mais interesses dos pesquisadores. "Em 1989 a contribuição do cientista Sir Tim Berners-Lee do CERN, Conseil Européen pour la Recherche Nucléaire (Centro Europeu de Pesquisas Nucleares) muda definitivamente a face da Internet" (Wikipédia). Estava então criada a Word Wide Web (a famosa www) um sistema que inicialmente interligava sistemas de pesquisas científicas e acadêmicas, interligando universidades. Depois dos anos 90 porém, com a divulgação da internet para o grande público, este passou a ser o sistema que gerencia todo e qualquer conteúdo deixado na internet, que deve ser acessado diretamente de um computador através de um navegador.

No Brasil a internet passou a vigorar da maneira como conhecemos a partir de 1995, quando o governo abriu os sistemas, antes restritos as pesquisas e universidades, para a comercialização.  
 
 
 

1.2. Internet inserida na cultura atual 

Segundo levantamento feito pelo IBOPE sobre o número de usuários de internet no Brasil, em 2001 haviam 9,8 milhões de internautas , o que perfaz 5,7% da população brasileira. Já em 2007 este número já chega a 21,5 milhões de indivíduos, ou seja, 14% da população, o que nos mostra a rapidez com que este meio ingressou na vida dos brasileiros. Além disso, o Brasil é considerado o país com maior tempo médio de navegação residencial por internauta . Isso entre os 10 países monitorados pela Nielsen/Netratings. Ele está à frente da França, EUA, Alemanha e Reino Unido. O crescimento da internet nos lares brasileiros cresce ao assombroso ritmo de 45,5% ao ano.

Várias são as pesquisas indicando o crescimento da importância da internet na vida dos brasileiros. O Brasil é, por exemplo, o maior usurário mundial do site de relacionamento ORKUT, merecendo até mesmo uma versão em português (o site foi criado pelo turco Orkut Büyükkökten) já nos primeiros meses de sua existência. A internet é utilizada também  para fazer compras (gerando R$ 7,5 bilhões em vendas em 2004), fazer boletins de ocorrência (de 2000 a 2004 haviam sido registrados 432.177 mil boletins), pesquisas, educação a distancia (até mesmo de cursos universitários), procura de vagas para emprego e toda sorte de divulgações e publicidades. Hoje, é considerada ferramenta essencial para publicitários, havendo mesmo propagandas televisivas que fazem alusão aos sites de internet. A maior parte ainda dos usuários é da classe A e B, mas este quadro está mudando com a popularização dos preços dos equipamentos (computadores) e barateamento do custo do acesso mensal devido a grande oferta, dando maior possibilidade a classe C.

Diante deste quadro é impossível negar a sua importância e importância da cultura que se gera em volta desta ferramenta. Jovens e crianças hoje utilizam a internet como algo essencial em suas vidas, marcando encontros com os amigos, paquerando ou apenas jogando no computador. É quase impossível encontrar um jovem que não tenha um endereço de e-mail (endereço de correspondência eletrônica) e até mesmo os adultos e a terceira idade estão aprendendo a utilizar a ferramenta para trabalho, diversão ou mesmo economia na hora de falar com parentes distantes. Aliás, a Internet rompe distancias e limites que antes eram colocados para as pessoas além de protege-las de um mundo cada vez mais violento e perigoso. É possível conversar com qualquer pessoa ao redor do mundo, apenas pagando uma taxa local de ligação (através de programas como Skipe) ou conversar através dos chamados "Messengers", ferramentas altamente populares que permite a conversação online de pessoa em diferentes pontos do planeta. Além disso, a cultura ficou muito mais acessível. Se antes era impossível ter acesso aos números do IBOPE, por exemplo, (que só eram liberados para os que encomendavam as pesquisas), hoje é possível encontrar números com apenas alguns cliques. Artistas estão colocando seus trabalhos (fotografia, designer, vídeos, músicas) na internet e tornando-se populares sem nem mesmo bater na porta de uma gravadora. É possível saber as notícias no exato momento em que elas acontecem e até mesmo a televisão teve que adaptar seu conteúdo à internet. Hoje a interatividade é crucial para o bom funcionamento de uma emissora de TV, gerando programas em que o telespectador pode participar ativamente, no momento do programa, através de e-mail ou de votos (no caso do Big Brother Brasil ou do extinto Você Decide, ambos da Rede Globo de televisão).

Mas a internet também pode ser uma ferramenta maléfica, dependendo de por quem for usada. É cada vez maior o número de pedófilos que acessam a rede atrás do sustento dos seus problemas psicológicos, gerando fotos de crianças e adolescentes nus ou maltratados.  Também cresce o numero de golpes pela internet, como falsificação de e-mail, senhas e até mesmo desvios bancários. Mas, como toda a mera ferramenta, a internet está somente espelhando o próprio comportamento social vigente, com suas parte positivas e negativas.

Mas o que podemos afirmar com certeza é que todo este contexto mudou a cabeça, a cultura das pessoas. Hoje se pensa diferente do que antes, e é possível expressar a sua opinião através de blogs (diários virtuais), ou mostrar sua família e amigos pelos fotologs (álbuns de fotos digitais) 

1.3. Os Florais de Bach e seu uso terapêutico 

Os Florais de Bach foram criados pelo inglês Edward Bach, no início do século XX. Ele utilizou o princípio das essências vibracionais das flores para "...tratar a personalidade e não a enfermidade..." (Vieira Filho, 1994).  O médico Dr. Bach acreditava que os "males do espírito" ou melhor dizendo os desequilíbrios psicoemocionais poderiam ser tratados através do uso das flores e isso geraria uma maior sensação de bem estar ao indivíduo.  

      " Devido a traumas e repressões, conscientes ou inconscientes, passamos a negar certos desejos, emoções e acontecimentos, tentando mante-los longe da lembrança, criando máscaras ou véus que encobrem o verdadeiro "eu" . (...) Desse modo, as chamadas "enfermidades" não são vistas como um mal em si, nem como meros acasos, mas sim como verdadeiros avisos que inconscientemente passamos para nós mesmo de que algo falta ser compreendido" (Vieira Filho, 1994) 
       

Assim, o uso dos florais ajuda o indivíduo a encontrar um estado de equilíbrio dentro de determinado problema que ele apresenta para o terapeuta. Se ele estiver com medo, por exemplo, pode-se indicar um floral que trabalhe esse medo e, mais tarde, ele poderá entender as origens deste medo. Assim, a psique humana pode ser compreendida como um sistema de camadas onde cada emoção trabalhada dá vazão a uma nova emoção que necessitará dos devidos cuidados e é nesta senda que atua o terapeuta holístico floral.

O terapeuta holístico é alguém que trabalha para a manutenção ou restabelecimento da harmonia do sistema integrado de uma pessoa. Cada emoção de um indivíduo poderá atingir outros níveis, como uma somatização no nível físico, por exemplo, gerando desconforto e perigos para a vida em alguns casos. Para a ciência convencional, como a psicologia e a medicina, o uso de florais não é indicado, pois não possui uma "validação científica". De fato, os florais não atuam na matéria em que os cientistas convencionais estão acostumados a mexer, e sim numa mais profunda e mais sutil, chamada energia. Assim, a energia da flor consegue adentrar o misterioso universo das emoções e, através de sua interação (por serem da mesma natureza) promover o restabelecimento do equilíbrio daquele sistema.

O Dr. Bach elegeu 38 essências florais que dão conta da grande maioria das emoções humanas como o medo, angústia, timidez e fobias.  
 
 
 

2. Material e metodologia

 

    1. Material
 

Para os atendimentos foram utilizados recursos virtuais. O programa mais utilizado foi o MSN Messenger, um comunicador que permite a conversação online de duas pessoas através de texto e uma conexão do PC com a rede mundial de computadores (internet). Foi proposto que utilizássemos também o Skipe e a câmera de vídeo (webcam - que chegou a ser utilizada em algumas sessões). O Skipe é um programa que permite a conversação (por voz) de duas pessoas, mas este recurso foi recusado pela cliente, por desconhecimento.

 

    1. Metodologia
 

As sessões foram feitas uma vez por semana, sempre no mesmo horário, e durante uma hora.

Após as sessões de aconselhamento eram indicadas as essências florais, de acordo com o que havia sido trabalhado na sessão. As essências foram ministradas para serem tomadas 4 vezes ao dia, diretamente sob a língua, 4 gotas de cada vez. O máximo de essências utilizadas em cada fórmula eram em número de 6, como reza a correta utilização dos Florais e mantidos em frascos com 30% de brandy, para a perfeita manutenção da fórmula.

S. me ligou numa tarde depois de eu colocar um pequeno anúncio no meu  site angariando pessoas  que quisessem participar de um estudo sobre o uso da internet e os florais de Bach. Ela tem 40 anos, é carioca de nascença, e estava já de malas prontas para se mudar para outro local dali a um ano. Estava muito confusa com a sua vida e apresentava diversos comportamentos que queria trabalhar com o uso de florais. Parecia bastante ansiosa ao telefone e pediu que começássemos o quanto antes. Pedi que ela me desse certeza que de poderia contar com ela por 1 ano em sessões de 1 hora, 1 vez por semana, pelo menos, e ela aceitou prontamente.. 
 
 
 
 
 

Dados da cliente

Nome: S.

Local de residência: Rio de Janeiro

Sexo: feminino 
Idade: 40 anos

Estado Civil: casada

Escolaridade: formação superior completa em Direito

Filhos: 3 filhos

Comportamento que queria modificar: problemas com a auto-imagem 
 
 

3. Resultados 

A primeira sessão foi marcada pelo MSN para dali a uma semana. Disse a ela que gostaria de pudéssemos conversar pelo Skype  (descrito acima) mas ela desconhecia o sistema. Utilizamos portanto o MSN, que não permite a visualização da cliente (tanto o tom de voz quando os movimentos corporais), apenas contando com os relatos escritos pela cliente.

Logo na primeira sessão S. contou que sentia-se angustiada com o problema de excesso de peso, querendo muito voltar a velha forma de antes de uma esterectomia por conta de um cisto no ovário. Também tinha uma doença chama hipoglicemia reativa. Havia feito um trabalho de leitura corporal e tinha sérios  problemas com a sua imagem. A princípio percebi pelo seu relato que parecia um pouco cismada com datas e números, e me dizia todas as datas, de tudo o que havia acontecido em sua vida, de maneira ansiosa. A conversa foi extremamente rica em informações. Ela não parecia ter nenhuma dificuldade para confiar em mim e para me contar sobre aquilo que mais a afligia. Contou alguma particularidades interessante e que me fizeram pensar em atitudes um pouco obsessivas, como a pesagem diária, a leitura de rótulos de comida no supermercado e confessou somente comprar as coisas em pares (se comprava um par de sapatos, tinha que levar outro). Ela estava há meses sem comprar nenhuma roupa e começava a se sentir fora dos padrões, por não poder sair por conta das roupas. Isso parecia mais um desculpa para os seus problemas do que realmente uma motivação. As que ganhava de presente da mãe e das irmãs e as que eventualmente comprava eram de tamanhos menores ao seu e eram mantidas dentro das sacolas, dentro dos armários. Neste primeiro momento, a orientação dos florais foi justamente em cima destes pensamentos obsessivos. Foram indicados: Cherry Plum (para o medo de perder o controle); Cerato (para a sensível falta de auto- confiança); White Chestnut (para o trabalho dos pensamentos obsessivos); Larch (para trabalhar a baixa auto-estima) e Crab Apple (sensação de impureza). De fato, estes florais fizeram  parte de grande parte do tratamento de S. 

Logo na primeira semana S. relatou estar se sentindo melhor e mais determinada em seus objetivos de perder peso. Pela primeira vez percebeu que a visão que tinha de si mesma tinha a ver com seu estado emocional, quando se olhou num espelho, depois de uma briga com o marido e se sentiu "horrorosa" (como ela descrevia a si mesma até então). Disse que queria se ver livre daquela sensação de desconforto com relação a si mesma  "Eu gostaria de viver esta emoção... esta sou eu... esta é a minha imagem... com defeitos e qualidades... esta sou eu... e não algo repugnante... entende?" (SIC). Aqui ainda haviam problemas, mas os florais e os aconselhamentos começavam a surtir efeito, ao menos fazendo com que ela se desse conta dos seus verdadeiros problemas. A primeira camada da cebola, estava tirada.

Começamos então a trabalhar o fato dela não querer nem ao menos comprar coisas que servissem nela. O trabalho foi feito como um princípio da aceitação da sua imagem corporal e eventualmente, o aumento de sua auto-estima. Na 6º sessão ela havia saído para compra-las, mas ainda não se sentia confortável. Ficou magoada com a mãe, por um comentário inoportuno, que acabou fazendo com que ela desistisse do seu intento. Continuei trabalhando isso e utilizando os mesmo florais de base, somente mudando alguns que apareciam na sessão como algo realmente importante, como a não aceitação da opinião do outros (onde eu utilizava a essência Beech), a culpa pelo excesso de peso (Pine) e Willow quando essas mágoas pareciam ser realmente profundas em sua alma. Percebi a ela era muito preocupada com a opinião dos outros e que era extremamente controladora. Algo nela achava que não poderia se ausentar nem mesmo para fazer seus tão amados exercícios físicos. Trabalhamos isso com o Cherry Plum.

Na sessão 8 ela chegou dizendo que "...essa semana exerci o descontrole" (SIC). Quando perguntei o que significava ela disse que havia saído para fazer seus exercícios e não havia nem levado o celular. Ela dizia morrer de medo que alguém precisasse dela e ela estivesse incomunicável e entrava em desespero que estava sem seu celular. Isso, para ela, significou uma espécie de libertação do seu papel de mãe e esposa dedicadas, coisas que ela vinha demonstrando nas sessões estar precisando muito. Diz ter se sentido livre, dona da própria vida e aliviada. De fato, nas sessões posteriores, mostrou-se bem mais leve com relação a seu controle sobre os filhos e sobre o marido e o Cherry Plum foi suspenso. Depois deste episódio de libertação, ela pareceu também querer se libertar da terapeuta, não aparecendo por duas sessões nos horários marcados no MSN. Mandou e-mails posteriores, dizendo que havia tinha algum tipo de problema. E reapareceu na sessão posterior.

Quando voltou disse que as duas semanas que havia faltado foram boas e que havia abandonado a idéia fixa de emagrecer. Ela chegou a comentar, no início das sessões, que não dormia pensando em perder peso e isso não acontecia mais. Continuava com uma reeducação alimentar e exercícios, mas não tinha mais tantas características obsessivas com relação a perda de peso. Também havia, finalmente, feito compras de tecidos que, depois, transformou em vestidos estampados. Fez o seguinte comentário :  "A Luísa (filha) até me repreendeu semana passada. Cruzes mãe...você gosta de roupas de cores! Horrível!!! Parece até que quando você nasceu disseram: a ordem é: APAREÇA!"(SIC). Nesta fala dela podemos perceber que ela estava realmente começando a reconhecer seus gostos, mas ainda tinha medo dos comentários dos outros. Com esta frase ela começou a perceber que gosta de cores, mas que, mesmo quando magra o guarda-roupas dela era mais discreto. Peguei a deixa e fui tentando fazê-la entender o quanto ela se reprimia enquanto mulher e o quanto negava a sua natureza mais exuberante e menos "menina de família". Logo em seguida disse que não se importava com o comentário da filha e que, realmente, gostava mais de cores. Aqui ela se lembrou da repressão que sofria na infância por ser uma mulher grande e que aparecia. Com havia muitas mulheres na sua família, e ela sempre apareceu mais por ser "maior" e mais "falantes" a mãe e as irmãs pareciam reprimi-la, fazendo com que ela também se reprimisse. Lembrou de um episódio em que vestiu uma roupa para uma apresentação de balé "... fiquei linda, já tinha corpo de mulher aos 14 anos, mas minha mãe me mandou tirar aquilo e minhas irmãs riam de mim" (SIC). No final da sessão concluiu que era mesmo exibida e gostava mesmo era de aparecer. Aqui foi introduzido o Rock Water, para que ela pudesse combater esta auto-repressão. Na sessão 12 ela voltou a vender produtos da Natura (que sua filha estava vendendo para ela) e disse que estava sentindo-se como nova. Explicou, em pormenores, como ela realizava as vendas, que era muito boa nisso que queria montar uma pequena loja quando se mudasse para a sua nova cidade. Aqui, todos os florais anteriores foram suspensos e utilizei o Impatiens, pois se mostrava muito ansiosa com as mudanças que estavam por vir.

A partir deste ponto ela já não apresentava mais as características obsessivas. O fato de poder ter encontrado a si mesma de uma maneira mais completa, e conseguir aceitar algumas coisas em si, como a sua exuberância feminina,por exemplo, fizeram com que ela conseguisse concentrar-se na sua vida como um todo. Malhava alguns dias por semana, passou a respeitar mais os seus horários (mesmo quando os filhos ou o marido a solicitavam fora de hora), e passou a se arrumar mais, maquiando-se para sair como, havia dito ela,não fazia há muito tempo. Fez compras numa loja mesmo e não se sentiu mal por experimentar vestidos e até se assustou  com o fato da loja ter roupas para "o seu tamanho". Comprava mais bijuterias e até mesmo peças que, acreditava, eram só do gosto dela. Ela chegou a tirar do armários as roupas que não serviam mais, e tirou das sacolas os vestidos que ainda estavam guardados. "Quero usar tudo o que tenho direito" (SIC), dizia animada.

A partir deste ponto, porém, começou a faltar nas sessões. Dizia sentir-se bem e precisar de tempo para organizar a mudança. Sumiu do MSN e não respondia a maioria dos meus e-mail perguntando como ela estava. Aos que respondia, dizia estar muito bem. Assim, dei como encerrado o caso, por abandono da terapia.  
 

  1. Discussão
 

De fato, poucas vezes (a não ser no final do tratamento, quando finalmente se mudou para Belém) ela faltou às sessões e apresentou uma melhorar rápida e significativa já nas primeiras semanas como descrito acima.

O principal objetivo dela, que era se livrar do problema de auto-imagem, se não resolvido foi ao menos diminuído. Ela começou a se olhar no espelho e, nas sessões pelo MSN, conseguiu resgatar pontos da sua história onde tudo havia começado. As repressões do inconsciente, lentamente vieram a tona e ela conseguiu mudar o seu comportamento tão logo percebia os sentimentos diferentes que isso gerava. Claro que é impossível relatar todo o tratamento, mas ela parece ter conseguido excelentes resultados.

No meu entendimento, se a internet dificultou, também facilitou o processo. Se por um lado eu, como terapeuta, não tinha acesso a sua voz ou a suas expressões não-verbais, por outro lado tinha outros materiais para analisar. Começando pela própria linguagem que o MSN proporciona, com emoticons (desenhos que representam estados de espírito da pessoa) e frases de efeito. Quando ela queria enfatizar algo ela utilizava letras maiúsculas, muitas reticências, desenhos e palavras cheias de sílabas como "Maraaaaaaaaaaavilhoso" (SIC), por exemplo. Estes são recursos que as pessoas acostumadas ao MSN conhecem e que podem identificar mesmo sem a voz ou a expressão facial da pessoa do outro lado.

Do mesmo modo, talvez S. não tivesse conseguido contar tantas coisas, tão rápido, a um terapeuta convencional. Coisas que ela dizia sem vergonha, justamente porque eu estava no outro lado de um computador e ela não temia represálias ou caras repreendedoras. As minhas expressões de eventuais julgamentos, por exemplo, poderiam não ser entendidas por ela e, assim, ela pode se expressar mais, contar mais e ser mais ela mesma.

Os resultados mais concretos foram medidos com a própria mudança de comportamento da cliente e com tudo aquilo que ela trazia que havia feito durante a semana. De fato, vi uma foto dela quando começou o tratamento (morena) e depois no final (quando havia pintado os cabelos de loiro). Ela estava com uma fisionomia diferente, parecendo mais tranqüila. Mas isso pode somente ser uma inferência pelos resultados apresentados. 
 
 

  1. Conclusão
 

A internet é, de fato, uma nova ferramenta. E como nova ainda precisa de novas maneiras de adaptação. Se podemos utilizá-la para tantas coisas, porque não para o atendimento terapêutico? Isso se mostrou possível neste caso, mas ainda noto a necessidade de mais estudos e talvez do desenvolvimento ou utilização de outras ferramentas que parecem importantes. O uso de vídeo, por exemplo, com certeza enriqueceria o tratamento, fazendo que com que quase fosse o mesmo que o real. Senti falta de "sentir", como terapeuta, a voz e as expressões faciais.

A meu ver, de qualquer maneira, o tratamento com S. denotou resultados positivos e acredito mais rápidos em comparação com as sessões de aconselhamento e florais mais convencionais. Mas ainda seriam necessárias mais pesquisas para saber se isso aconteceu com uma cliente específica ou aconteceria a qualquer pessoa. De qualquer maneira, com certeza, foi uma experiência válida e enriquecedora.  
 
 
  

  1. Referências bibliográficas
 
 
 

BIASE. F. O homem holístico – A unidade mente natureza. 2ª edição. Petrópolis. Editora Vozes. 2000. 

FONTENELE. L. A interpretação. 1ª edição. Rio de Janeiro. Jorge Zahar Editor. 2002.

GARCIA-ROZA. L. Freud e o inconsciente. 20ª edição. Rio de Janeiro. Jorge Zahar Editor. 1994. 

GUIMARÃES. C. A.F. Carl Gustav Jung e os fenômenos psíquicos. São Paulo.  Editora Madras.2004. 

JUNG. C.G. Sincronicidade. 10ª edição. Petrópolis. Editora Vozes. 2000. 

JUNG.C.G. A prática da psicoterapia. 9ª edição. Petrópolis. Editora Vozes. 2004. 

JUNG.C.G. O homem e seus símbolos. 22ª impressão. Rio de Janeiro. Editora Nova Fronteira. 1964 

JUNG.C.G. Presente e futuro. 4ª edição. Petrópolis. Editora Vozes. 1999. 

JUNG.C.G. Psicologia do inconsciente. 13ª edição. Petrópolis. Editora Vozes. 2001. 

LAPLANCE E PONTALIS. Vocabulário de psicanálise. 4º edição. São Paulo. Martins Fontes. 2001.  

FILHO. H. V. Florais de Bach: uma visão mitológica, etimológica e arquetípica. 4º edição. São Paulo. Ed. Pensamento. 2004. 

WIKIPÉDIA – A história da internet.(http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_Internet) 

ABRANET  História da Internet  (http://www.abranet.org.br/historiadainternet/ocomeco.htm) 

REDE NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA. A Internet no Brasil

(http://www.rnp.br/noticias/imprensa/2001/not-imp-010310.html) 

ANA CARMEM Números na internet no Brasil batem record

(http://www.anacarmen.com/blog/2008/03/26/numeros-da-internet-no-brasil-batem-recorde/) 

FOLHA DE S. PAULO - Confira um raio x da internet no brasil

(http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u18521.shtml) 

BLOG NONATO - Orkut e sua história

(http://blognonato.com/2007/07/25/orkut-e-sua-historia/) 
 

  1. Anexos e Apêndices
 
Emoções PresentesPalavras-chavesEssências
MEDO Pânico ROCK ROSE
De coisas, de situações concretasMIMULUS
De perder o controleCHERRY PLUM
Inexplicável ASPEN
Temem pelos outros RED CHESNUT
INCERTEZAFalta de auto-confiançaCERATO
Indecisão entre duas coisasSCHLERANTUS
Desânimo, tristeza por fato acontecidoGENTIAN
Sem esperança, desistênciaGORSE
Cansaço com a rotinaHORNBEAN
Indecisão geralWILD OAT
DESCONEXÃO AO PRESENTEDistraçãoCLEMATIS
NostalgiaHONEYSUCKLE
ApatiaWILD ROSE
Esgotamento físico e mentalOLIVE
Pensamentos ObsessivosWHITE CHESTNUT
Tristeza cíclica de origem incertaMUSTARD
Dificuldade de aprendizadoCHESTNUT BUD
SOLIDÃOReservados, isoladosWATER VIOLET
Ansiedade, impaciênciaIMPATIENS
Não suportam a solidão, carentesHEATHER
INFLUÊNCIAS EXTERNASFuga dos ProblemasAGRIMONY
SubmissãoCENTAURY
Protege das influênciasWALNUT
Inveja, Ciúme, Suspeita, RaivaHOLLY
ABATIMENTOBaixa-estimaLARCH
CulpaPINE
Excesso de ResponsabilidadeELM
Angústia ExtremaSWEET CHESTNUT
Traumas, choquesSTAR OF BETHLEHEM
Ressentimento, mágoaWILLOW
Excedem os limites da resistênciaOAK
Sensação de impurezaCRAB APPLE
(PRE) OCUPAÇÃO COM OS OUTROSPossessividade, chantagem emocionalCHICORY
Fanatismo, idealismo excessivoVERVAIN
AutoritarismoVINE
Intolerância, crítica excessivaBEECH
Auto-repressãoROCK WATER
 
Fonte: Sinte – Comunidade de Estudos Avançados – Florais de BachHenrique Vieira Filho 
CRT 21001 
Terapeuta Holístico

CRT 41933

Última atualização:
2008-05-06 13:14
Autor: :
Andrea Pavlovitsch - Terapeuta Holística - CRT 41933
Revisão:
1.0
Avaliaçãoo mídia: 4.26 (38 Votos)

Não pode comentar este artigo

Chuck Norris has counted to infinity. Twice.

Registros nesta categoria

Tags